quinta-feira, 10 de julho de 2014

Carta à Dona Lúcia

Ilma. Dona Lúcia, espero que esta te encontre com saúde!

Acredito que a senhora tenha enviado sua mensagem para a comissão técnica da seleção brasileira com a melhor das intenções. Uma mensagem de apoio e fé, num momento de dificuldades, é realmente um gesto bonito.

Certamente a senhora, que alertou para o fato de não ser conhecedora de futebol, não contava com tanta exposição e com o estranho uso de sua missiva, não é?

Porém, agora sabedor que a comissão técnica adora uma cartinha, aproveito o momento histórico e sirvo-me desta para colocá-la a par de algumas das características imprescindíveis para que um time (ou seleção) alcance o êxito nas competições contemporâneas.

De plano, é preciso saber escolher as peças que irão compor o elenco. O treinador necessita reunir os mais capazes em todas as posições e, salvo uma ou outra exceção, é inútil reunir em um mesmo elenco jogadores com características quase semelhantes, pois cada adversário tem características próprias e das duas uma: ou o mesmo jogador terá que ser capaz de fazer duas ou mais funções, ou você precisará substituí-lo por outro com características diversas.

Exemplificando, é como quando a senhora faz um bolo. Os jogadores são os ingredientes. O esquema tático é o modo de preparo. O treinador é o cozinheiro. Certamente a senhora já precisou improvisar e utilizou um ingrediente de modo diverso do inicialmente planejado ou teve que substituir um ingrediente que a senhora esqueceu por outro, não é?

Aposto que isso já ocorreu e que, mesmo com as dificuldades encontradas no preparo, o seu bolo ficou pronto e a senhora foi muito elogiada pelo resultado. 

Voltando a falar do cozinheiro, melhor dizendo, do treinador, é importante que este seja dotado de humildade, pois só assim poderá reconhecer um erro e tomar as medidas adequadas para evitá-lo, repará-lo ou mesmo minimizá-lo. Repare que todas essas possibilidades trarão resultados melhores que a inércia.

Em se tratando de futebol, Dona Lúcia, ainda é muito importante, mas muito mesmo, que, desculpe-me pela redundância, o treinador seja capaz de treinar a equipe para variar taticamente ao longo da partida. Isso significa ter capacidade e sabedoria para responder imediatamente aos movimentos que o treinador adverso fizer, dificultando a vida deste.

Veja Dona Lúcia que tanto no futebol, como em sua cozinha, a execução sempre apresentará dificuldades em relação ao planejamento.

Outra questão importante é que os líderes e especialmente o treinador tome(m) todas as cautelas para que toda a energia do elenco seja colocada no que importa para que sejam alcançados os resultados almejados: treinamento adequado e foco na competição.

Assim, quem sabe, se o elenco chegar aos resultados almejados, todos que participaram do êxito poderão monetizar a conquista através de publicidade que remeta aos louros da vitória. Antes disso não é recomendável, Dona Lúcia, pois tal conduta pode parecer arrogância e, pior ainda, certamente em caso de insucesso virará deboche.

Perceba Dona Lúcia, que todas aquelas propagandas ufanistas já sumiram do intervalo da sua novela das nove.


Agradeço sua atenção Dona Lúcia e espero que a senhora compreenda alguns dos conceitos contidos nessa missiva, a qual desejo, do fundo do coração, também chegue ao conhecimento dos seres humanos nos quais a senhora tanto confiou.

Nenhum comentário: